sexta-feira, 5 de junho de 2020

As Montanhas Misteriosas

Nas Terras de Elyon descobrirás um reino fantástico circundado por altas muralhas que protegem até mesmo as estradas que ligam as suas cidades. Alguém as mandara construir, a fim de proteger o território e os seus habitantes dos perigos misteriosos que se acreditava existir para além das muralhas.
Naquele Verão, Alexa Dadley, de doze anos, menina corajosa e inteligente, acompanhou o pai, como todos os anos, quando este se desloca a Bridewell, a cidade principal. O que Alexa não sabe é que a espera uma missão deveras importante e cheia de aventura, num mundo mágico onde nada é o que parece.

Livro 1 da série As Terras de Elyon.

Este é o 105.º livro da coleção Estrela do Mar.
Já está disponível na Biblioteca!

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Quem Fez as Primeiras Ferramentas?

Quase desde que começaram a andar em pé, há cerca de 3,5 milhões de anos, os nossos distantes antepassados humanóides aprenderam a utilizar pedras aguçadas para cortar carne e para esmagar ossos de animais. Mas os primeiros verdadeiros fabricantes de ferramentas forma hominídeos como o Homo habilis, que apareceram há cerca de 2 milhões de anos. Homo habilis significa «homem hábil». Este nosso antepassado era extremamente hábil com ferramentas de pedra, que lascava até apresentarem um bordo cortante, de pedra, que lascava até apresentarem um bordo cortante, de modo a cortar carne e peles destinadas ao seu vestuário.

Ferramentas Homo Habilis
Farndon, John. (1993). Livro de perguntas e respostas. (1.ª ed.). Lisboa: Verbo.

quarta-feira, 3 de junho de 2020

A Décima Cidade

Nesta nova aventura, Alexa Daley sabe que se dirige para uma arriscada missão, mas nem ela nem os amigos imaginam os perigos que vão ter de enfrentar na sua jornada para salvar as Terras de Elyon do domínio do diabólico Victor Grindall e do seu líder Abaddon. 
Para isso terão primeiro de atravessar o Mar da Solidão, resgatar Yipes e desvendar o enigma da Décima Cidade, o lugar mais secreto do mundo. Mas as surpresas vão ser muitas...à medida que Alexa luta para que a vida, como ela a conhece, não seja destruida... serão conduzidos a uma jogada final onde tudo poderá ser posto em risco, grandes segredos serão revelados, incluindo o motivo por que esta rapariga, de treze anos, ter sido escolhida para ter o destino das Terras de Elyon nas mãos.

Livro 3 da série As Terras de Elyon.

Este é o 113.º livro da coleção Estrela do Mar.
Já está disponível na Biblioteca!

terça-feira, 2 de junho de 2020

Porque São Brancos os Ursos Polares?

Como os ursos polares são brancos, conseguem confundir-se com a neve e o gelo dos ambientes árcticos onde vivem. Muitos animais utilizam camuflagens como esta, de modo a confundirem-se com o meio envolvente - uma enorme vantagem tanto para os predadores como para as presas. Mas nem todos os animais confiam na sua capacidade de se confundir com o meio para evitar serem comidos. Alguns, pelo contrário, exibem cores vivas para afugentar qualquer predador potencial, enquanto outros imitam plantas ou animais venenosos.

Urso Polar
Farndon, John. (1993). Livro de perguntas e respostas. (1.ª ed.). Lisboa: Verbo.

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Dia Mundial da Criança

E porque hoje é o Dia Mundial da Criança, deixamos aqui, como presente para todos, o poema "Rei, capitão, soldado e ladrão" de Luisa Ducla Soares, acompanhado do quadro intitulado "Childrens on the beach" do pintor russo Konstantin Razumov.

"Childrens on the Beach", de Konstantin Razumov

Rei, Capitão, Soldado, Ladrão

Rei, capitão,
soldado, ladrão,
menina bonita
do meu coração.

Não quero ter coroa,
nem arma na mão,
nem fazer assaltos
com um facalhão.

Quero ser criança,
quero ser feliz,
não quero nas lutas
partir o nariz.

Quero ter amigos
jogar futebol,
descobrir o mundo
debaixo do sol.

Rei, capitão,
soldado, ladrão,
não.
Mas quero a menina
do meu coração.

Luísa Ducla Soares, in Poemas da Mentira e da Verdade

Feliz Dia da Criançasão os votos da equipa da biblioteca.

A Professora Bibliotecária,
Isabel Santos

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Invenções e Comércio

As Rotas da Seda e das Especiarias
A China a oriente - a Europa a ocidente; duas culturas ligadas por séculos de comércio. Esta é a história desse comércio, do modo e das razões por que ocorreu e da influência que teve sobre as pessoas e comunidades que pôs em contacto. É também a história das cidades, povoados e culturas que cresceram ao longo das suas estradas - as Rotas da Seda e das Especiarias.

Excerto
A história da humanidade está construída sobre uma série de inovações e invenções tecnológicas- desde o freio do cavalo e da roda atá ao microship e ao computador. Ao longo dos séculos, a troca destas tecnologias inspirou novos desenvolvimentos e melhoramentos. Foi através do comércio que ocorreu a maior parte destas trocas. Ao longo da Ásia, os caminhos das Rotas da Seda e das Especiarias congregaram diferentes povos que pretendiam comerciar, juntando deste modo os conhecimentos científicos e invenções uns dos outros. Assim evoluíram e se desenvolveram algumas das tecnologias mais importantes, como a escrita, a tecelagem e a agricultura.

Este livro explora este processo e a contribuição fundamental que nele tiveram as Rotas da Seda e das Especiarias.
Já está disponível na Biblioteca!

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Quem Inventou as Sombras para os Olhos?

As pessoas pintaram o rosto desde sempre mas foram os antigos egípcios, há mais de 4000 anos, os primeiros a usar algo parecido com a maquilhagem moderna. Tanto os homens como as mulheres usavam pinturas para os olhos, feitas a partir de minerais triturados em delicadas paletas de ardósia.

Esposas de Faraós
Segundo a lenda, os egípcios pintavam os olhos de preto para evitar o olhar direto para o deus “sol” com o khol, uma mistura de mineral malaquita com carvão e cinzas, o primeiro registo de maquilhagem mineral da história.
Essa mistura além de um símbolo de status e de beleza usado pelos nobres também era usada no intuito de proteger os olhos e pálpebras dos efeitos nocivos do sol.

Farndon, John. (1993). Livro de perguntas e respostas. (1.ª ed.). Lisboa: Verbo.